quarta-feira, 28 de junho de 2017

Desta coisa das dietas



Houve um dia em que eu acordei e tinha 98,5Kg. Acordei para a realidade, bem entendido...

Eu sempre tive excesso de peso, nunca liguei ao facto das pessoas dizerem que eu estava gorda, não era nada com elas e eu não me importava. Alimentava-me muito mal, o exercício era zero. A balança era bicho hibernante na minha casa e eu nem sequer chegava perto dela. Afinal, o que eu não sabia não me podia magoar, certo?... Errado! ...

Sábado, 11 de outubro de 2003 – 15:00
Era uma tarde ensolarada, eu estava em casa dos meus pais, a menina estava a dormir a sesta e eu, para não variar, estava desconsolada. Fui ao frigorífico, peguei num chocolate, parei 2 segundos e voltei a pô-lo no sítio. “Não. Hoje não!”

Este foi o primeiro passo da minha reeducação alimentar. Foi o meu click. Foi um momento marcante da minha vida. Tão marcante, que passados quase 14 anos me lembro nitidamente dele, incluindo o que senti na altura.

A minha filha tinha 12 meses, começava a comer tudo o que nós comíamos e tudo o que eu mais queria era ser um bom exemplo para ela. Estava quase, quase a andar e eu queria muito brincar livremente com ela, mas já me sentia limitada em algumas brincadeiras e não era isso que queria para nós.

E foi por essa razão que o meu estilo de vida mudou.

Se foi fácil? Claro que não!!!

Houve inúmeras vezes em que me apeteceu desistir de tudo e enfardar à grande.
Houve inúmeras vezes em que caí, inúmeras vezes que me deixei ficar alguns dias no chão… mas de todas as vezes que caí, houve sempre uma a mais em que me levantei.

No início perdi peso facilmente só pela alteração da alimentação porque além de ter 28 anos, eu antes comia mesmo muito mal. De vez em quando vinha o plateau e eu tinha de fazer alguma modificação para dar um abanão à coisa.

Numa dessas vezes resolvi consultar uma nutricionista no meu centro de saúde. Na altura já eu estava a fazer uma alimentação saudável pelo que ela me deu 2 valiosíssimos conselhos: em vez de pôr dois adoçantes no café com leite de manhã ponha só um e quando vier à próxima consulta pese-se em casa e diga-me, porque esta balança pode não ser a mesma… Nunca mais lá pus os pés e continuei na minha saga com as ideias recolhidas aqui e acolá!

Até ao dia em que farta de um plateau extenso, resolvi ir ao Póvoas. Perdi mais de 10Kg num ápice. A dieta é igual a milhares de outras, mas os medicamentos realmente fazem milagres… até ao dia em que temos de os deixar. Apesar de ter começado a fazer o desmame muito lentamente, o peso subia e eu ficava cada vez mais paranoica e andava absolutamente insuportável. Desisti de um dia para o outro para preservar a relação com a minha filha e o meu marido que estava a ficar seriamente afetada pela minha obsessão.

Acalmei e retomei o estilo de vida saudável que queria para mim e para a minha família. Deixei de me focar no peso, passei a focar-me em manter a minha cabeça limpa de culpas  ao adotar um estilo de vida saudável e consegui alcançar a paz interior, passei a sentir-me bem comigo própria e a aceitar-me.

Sempre li muito sobre alimentação e estilo de vida saudáveis. Neste aspeto sempre fui muito auto-didata e quero sempre saber mais e mais. Quanto mais informada estiver, mais escolhas certas consigo fazer.

Nunca fui de dietas malucas. Nunca fiz a dieta da sopa, nem do abacaxi, nem a da lua ou a dos signos. Não quero perder 5Kg em 5 semanas, nem baixar 3 tamanhos de roupa num mês. Não quero fazer dietas líquidas, sem hidratos de carbono ou sem glúten, nem beber chás disto ou daquilo.

Quero sim, manter-me controlada. Eu não faço dieta! Eu nunca fiz dieta! Eu pratico um estilo de vida saudável. Eu como uma grande fatia de bolo hoje, mas compenso com uma sopa e uma salada amanhã. Eu quero um estilo de vida que me permita comer um gelado ou uma pizza de vez em quando sem culpas nenhumas, não quero andar toda a vida e mais seis meses a comer cozidos e grelhados, desculpem lá, mas isso ninguém aguenta!
 
Eu não preciso que um nutricionista me dê um papel pré-impresso com o que devo ou não comer, com o tipo de refeições que devo fazer. Eu já sei isso tudo aos anos!

Eu quero é ferramentas com que trabalhar. Eu preciso de compreender o que anda a travar o meu organismo de momento e tendo essa resposta, eu viro o mundo para encontrar a solução. Eu arregaço as mangas e vou à luta, não há nada que possa contribuir para melhorar a minha saúde que me assuste.

Não quero facilitismos, quero perceber-me e quero trabalhar-me continuamente porque no dia 11 de outubro de 2003 eu fechei definitivamente uma porta para abrir outra e garantidamente não vou voltar atrás.

Obrigada a quem leu este enorme testamento até ao fim. Desculpem lá, mas às vezes estes pensamentos andam aos encontrões na minha cabeça e tenho mesmo que os mandar cá para fora. É esta a razão por que este blog é uma das minhas grandes paixões. Expurga os meus sentimentos.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Da put@ da idade



Tenho 41 anos.

Considero que nunca me alimentei de forma tãosaudável como agora...

Tenho-me mexido alguma coisita... pouco, mas diariamente.

Tenho hidratado convenientemente o meu corpo.

No entanto, os resultados que vejo são negativos. E cada vez mais.

Deixei de compreender o meu corpo. Ele já não responde aos estímulos que lhe dou.

Deve ser a chamada "Put@ da Idade"

Mas baixo os braços?... Lógico que não! Essa não sou eu, porra!

Informo-me e tento dar-lhe a volta. De braços cruzados é que não fico.

Não vou falar de números, que não vale a pena, mas ultrapassei uma barreira que não queria nem por nada, e não vou descansar enquanto não alçar a perna de volta ao outro lado.

Espero sinceramente que este livro me dê umas luzes sobre o que se está a passar com o meu corpo e como domar as alterações hormonais e metabólicas que estão a atacar-me de momento.

terça-feira, 20 de junho de 2017

"És um vidrinho de cheiro!"


Se há coisa que eu odeio e que me odeia é o ar condicionado...

Um bocadinho de ar condicionado no frio é o suficiente para me fazer doer a garganta, ou pior, desencadear crises de sinusite.

Claro que é agradável de sentir na pele, principalmente com este calor insuportável, mas umas horitas foi o suficiente para eu já estar aqui à rasca com o nariz congestionado, ouvido tapado, dores de cabeça fortes e litradas de soro fisiológico narinas adentro.

O que me vale é que amanhã já volta o tempo mais ameno, a minha casa precisa urgentemente de arrefecer. Estamos a dormir em quartos com 28ºC! Ninguém merece!

Eu dou-me mesmo muito mal com o calor. Tudo o que vá acima dos 25º, para mim já é demais. Sou uma pessoa do outono, o que querem?!

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Do "não é para a tua idade" - parte II


Hoje eram 8:01 e já eu estava em frente ao computador, e-mail com o código especial de acesso a postos, site da Ticketmaster a fazer o refresh de 5 em 5 segundos, cartão de crédito ao lado...

Para quê?...

Para comprar bilhetes para ver este rapazinho fabuloso. A minha adolescente preferida vai acompanhar-me a Madrid para vermos e ouvirmos ao vivo este moço cheio de talento.

Comprar bilhetes dos bons para uma qualquer coisa que queremos mesmo muito é um stress do catano!!!

- A venda começa às 8:00...
- 8:01 e o site ainda não os tem disponíveis...
* refresh... refresh... *
- Pera lá... já entrou!
- Lugares, lugares, lugares...
- Seja o que Deus quiser! Qualquer um serve!!
* E o cronómetro a rodar, temos somente 10 minutos para finalizar a compra *
* o stress... *
- Já está, falta só o cartão de crédito
- "O seu cartão visa não tem uma m&rda qualquer ativada. Utilize outro"
- Aaaahhhhhh!!!!!
- Liga o pai, liga ao pai! Pede-lhe o nº do cartão de crédito dele!
- JÁ VOU! QUE NERVOS!!!
* E o estupor do cronómetro sempre a rodar *
...
- "A sua compra foi bem sucedida"
- E-mail recebido com os bilhetes
* Tsssssssssss *

Que stress, senhores!! Stress bom!

E vamos passar a Páscoa a Madrid no próximo ano :)

Já só penso nisto...


E nisto...

domingo, 11 de junho de 2017

É, houve uma coisa que eu fiz bem


Ela *do nada abraça-me *: Eu gosto muito de ti!!
Eu: Eu sei, meu amor, eu também!
Ela: Gostas muito de ti?
Eu: Sim, mas gosto mais de ti...
Ela: Não devias...
Eu *risos*: Eu sei, mas quando fores mãe vais perceber.
Ela: Talvez, mas devias gostar de ti pelo menos tanto quanto gostas de mim!
Eu: Ok, eu vou tentar :)

Adoro a auto-estima desta miúda, sempre lá nas núvens...

sábado, 10 de junho de 2017

Pesei-me...


... e a parvalhona foi má para mim.

Anda uma pessoa a esforçar-se para cumprir o exercício diário (ontem eram 11 da noite, mas não me baldei), bebe 1,5l de água religiosamente, tem uma alimentação (relativamente) equilibrada e mesmo assim aumenta?!?!

Pára tudo!

É aqui! É agora que ou se escolhe um caminho ou o outro!

1) Ou relevo e continuo, o que importa é que a minha consciência está tranquila!...

2) Ou encolho os ombros e desisto, afinal não vale a pena esforçar-me que a recompensa é a mesma...

Tantas vezes segui o segundo caminho... quantas de nós!...

Mas eu aprendi a valorizar-me e portanto, agora, sigo o primeiro...

Consciência tranquila... siga... a parvalhona quando me quiser recompensar sabe onde me encontrar.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Do "sem desculpas"


Propus-me a este pequeno auto desafio no início do mês e...

...
...
...
...
...
...
...

... ainda não falhei um único dia :)

É uma questão de hábito, malta!

Tem sido somente 15 minutinhos de elítica ou de step ou caminhadas (mais um bocadinho de tempo para as caminhadas, vá). Mas tem sido Sem Desculpas mesmo. É levantar o rabo do sofá e ir sem pensar muito.

Ainda na 6ª feira cheguei a casa às 19:00 e diz a Bia: Mãe, ainda não tenho fome, vamos dar uma voltinha a pé? E fomos! Na conversa as duas em passo acelerado, foram 40 minutos bem agradáveis...

É o que eu sempre digo: o que custa é o click, é o começar, os primeiros 2 ou 3 dias. Depois levas de letra.

Vai ser para continuar, estou a sentir-me mesmo bem a todos os níveis, tanto a tirar a ferrugem dos ossos como também a tirar a ferrugem da mente. Essa é a que está mais leve, está limpa!

domingo, 4 de junho de 2017

Tão bom quanto saudável


Ao fim de semana gosto de me levantar lentamente,  com a calma própria de quem não tem pressa...

Gosto de me mimar enquanto a casa ainda dorme e eu ainda estou sozinha com os meus pensamentos.

Gosto de fazer um pequeno almoço diferente, saboroso mas ainda assim saudável para começar bem o fim de semana.

Desta vez saiu uma panqueca de maçã, canela e aveia que cheirava e sabia a bolo :-)


Panqueca de maçã, canela e aveia
- 1 ovo
- 1/4 de maçã ralada
- 2 pacotinhos de açúcar
- canela qb
- leite qb
- aveia moída qb
- óleo de côco para untar a frigideira
- côco ralado para polvilhar

Misturar tudo e colocar numa frigideira untada com o óleo de côco. Deixar dourar e virar. Polvilhar com o côco e deliciar-se.

É muito boa mesmo! E deixa um cheirinho delicioso por toda a casa.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

WTF?!?!... Mas isto é assim agora?!



A Bia anda no 9º ano e é uma aluna bastante boa (bem melhor do que eu alguma vez fui).

É uma aluna de média de 4 e acho que se contam pelos dedos de uma mão os testes em que teve negativas desde que começou a escola.
No primeiro teste de inglês que fez no 5º ano teve 100%.
É naturalmente dotada para línguas (nisso sai à mãezinha dela) e nunca precisou de estudar para inglês para ter sempre 5.
Apesar de dizer que não gosta de francês, se estudar um bocadinho, também consegue notas bastante boas.
Ela já decidiu que vai seguir a área de humanidades, coisa que eu não tinha grandes dúvidas, sinceramente.

Agora, o que me faz uma confusão tremenda (porque no nosso tempo ou isto era impensável ou eu andava numa escola da caca) são as seguintes situações que vi a passarem-se nestas últimas semanas:

Situação 1 - Teste de História:
A professora na aula diz aos alunos os tópicos que vão sai nos testes, ou seja, basicamente as perguntas...
Ex: (o tema era a 2ª Guerra Mundial)
- Vai sair uma imagem que vocês têm de identificar... a imagem é o Pearl Harbor.
- Depois têm de dizer porque é que esse acontecimento foi importante... porque levou à mundialização do conflito.
E falou assim sobre o teste todo na aula de preparação!

Situação 2 - Teste de Ciências:
A Bia odeia a matéria que estão a dar, desmotiva-a, é um monte de nomes estranhos que tem de decorar...
Antes do teste:
- Se tiver mais do que 30% a ciências é uma sorte!
Depois do teste:
- O teste correu-me maravilhosamente bem, devo ter mais de 80% de certeza. A professora enviou-nos o teste para o e-mail antes da aula, só tivemos de decorar as respostas!

WTF?!?! Mas isto é assim, agora?

Onde está o mérito próprio dos alunos? É suposto eles ficarem orgulhosos por uma nota alta entregue assim de bandeja? Isto não é leva-los ao colo no 3º período? Não cheira aqui só a aumentar o ranking da escola? Isto é justo para os que se estafaram a estudar?

Que os conteúdos são extensos demais, acho que sim. Que os miúdos estão sobrecarregados, completamente de acordo. Mas não acho que estes facilitanços os ajudem a longo prazo,

Sou só eu que acho isto um absurdo?